Suplemento Múltiplo - Como Produzir e Usar

REDE INTERNACIONAL DE ENSINO LIVRE
A distância

Preço a consultar
Ou prefere ligar para o centro agora?
(55) ... Ver mais

Informação importante

  • Curso
  • A distância
Descrição

Informação importante

Opiniões

Ainda não existem comentários sobre esse curso

Programa

ÍNDICE


MÓDULO I


PROGRAMA


01-O baixo valor nutricional da forragem disponível durante a seca propicia, no máximo, a manutenção do peso dos bovinos


02-Na maioria dos casos, significa perda de peso e prejuízo para o pecuarista


03-O suplemento múltiplo foi desenvolvido para minimizar este problema


04-Consumido à base de 200 g/dia, serve na verdade como alimento aos microrganismos do rúmen, aumentando sua população, o que vai determinar maior eficiência na digestão da forragem seca


05-O resultado desse fenômeno é a manutenção do peso do gado e até mesmo ganhos que variam de 0,5 a 1,0 g para cada grama de produto consumido


MÓDULO II


CONTEÚDO


06-Como produzir o suplemento na própria fazenda


07-Maneira que o suplemento atua


08-Efeito no gado


09-Estrutura necessária para seu fornecimento


10-Como garantir maior quantidade de forragem para a seca


MÓDULO III


O FORNECIMENTO E O CRESCIMENTO


11-A mistura sal/uréia pode ser recomendada para situações nas quais se deseja apenas a manutenção do peso vivo dos animais, mas, algumas categorias do rebanho precisam continuar crescendo e ganhando peso durante todo o ano, como, por exemplo, bezerros desmamados, novilhas e novilhos


12-Para garantir o crescimento constante destas categorias, é preciso haver um ganho de pelo menos 200 g/dia


13-Outras categorias como novilhas que irão parir pela primeira vez e vacas de primeira cria também precisam de uma atenção especial


14-O ideal seria fornecer suplementos para garantir o ganho de todas as categorias do rebanho, mas, se isso não for possível, pelo menos as categorias citadas deverão receber atenção especial


15-A partir dos resultados com sal/uréia, a EMBRAPA - CPAC e outras instituições de pesquisa começaram a desenvolver trabalhos com suplementos múltiplos cuja formulação traz uma mistura dos nutrientes em maior deficiência na pastagem, sendo mais concentrado em proteína, depois em minerais e, por fim, em energia


16-Em virtude da melhor palatabilidade do suplemento múltiplo, que é atribuída aos alimentos como farelos de soja, de algodão e ao milho, o consumo é maior, condição que garante a ingestão de maiores níveis de nutrientes


17-Entretanto, os suplementos múltiplos são formulados para que o consumo seja de 0,50 a 1,0 g para cada Kg de peso vivo e o ganho esperado é da mesma ordem


18-Um animal pesando 300 Kg pode ingerir entre 150 e 300 g/dia e ganhar peso na mesma proporção


MÓDULO IV


QUANTIDADES


19-Estas quantidades consumidas ainda são pequenas para suplementar toda a deficiência da forragem proveniente de uma pastagem envelhecida para altos ganhos animal


20-Só para se ter uma idéia, para que um animal ganhe acima de 500 g/dia, em uma pastagem na condição citada, seria necessário fornecer uma ração concentrada na proporção de 1% do peso vivo do animal, ou seja, o mesmo animal de 300 Kg teria que consumir 3,00 Kg/dia deste concentrado


21-Então, como explicar os bons ganhos de animais em pastagens secas recebendo o suplemento múltiplo? O conceito do uso destes suplementos baseia-se no princípio de que os microrganismos é que são alimentados e não o animal


22-O fornecimento de nutrientes para os microrganismos do rúmen estimula o desenvolvimento rápido de sua população que fica mais eficiente em digerir a fibra do pasto seco


23-A forragem sendo digerida em uma maior velocidade ocorre o esvaziamento rápido do rúmen e o animal volta a ingerir mais forragem


24-Desse modo, no final de 24 horas, o consumo de forragem aumenta, e, conseqüentemente a ingestão de nutrientes também aumenta. Isto explica o melhor desempenho dos animais


25-De qualquer forma, o consumo de 300 g de um suplemento múltiplo já garante a ingestão de 180 g de proteína se o suplemento for formulado com 60% de proteína, ao passo que com um sal com 40% de uréia, se o consumo for de 60 g/dia, o animal irá ingerir apenas 24 g de uréia que terá um equivalente em proteína de 61 g/dia, ou seja, três vezes menos