Fonaudiologia

ULBRA Universidade Luterana do Brasil
Em Canoas

Preço a consultar
Ou prefere ligar para o centro agora?
(55) ... Ver mais

Informação importante

  • Graduação
  • Canoas
  • Duração:
    48 Mêses
Descrição

Informação importante
Instalações

Instalações e datas

Início Localização
Consultar
Canoas
V. Farroupilha, Nº 8001 · Bairro São José, 92425-900, Rio Grande do Sul, Brasil
Ver mapa

Programa

O Curso


No Brasil sabe-se, desde 1900, sobre a utilização de técnicas e métodos fonoaudiológicos, mas somente em 9 de dezembro de 1981, através da Lei Nº 6965/81, a profissão de fonoaudiólogo foi regulamentada.
Na Universidade, o curso iniciou suas atividades em março de 1993.
A Clínica de Fonoaudiologia, localizada no 2º andar do prédio 22, no campus Canoas, iniciou o atendimento de pacientes em 1996, quando iniciaram os estágios (1ª turma de formandos).
Em 1997, o curso foi reconhecido pelo MEC e ocorre a formatura da 1ª turma; em 1999 é lançado o primeiro curso de pós-graduação em Fonoaudiologia da Universidade, com ênfase em Audiologia.
O curso foi reavaliado pelo MEC em maio de 2004, e recebeu conceito máximo em todas as dimensões.
Em agosto de 2004 é lançado o curso de pós-graduação, com ênfase em Linguagem/motricidade oral.


Projeto Pedagógico

Competências e Habilidades

Gerais

De acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de Fonoaudiologia, o projeto pedagógico pressupõe que o futuro fonoaudiólogo seja capaz de adquirir conhecimentos e experiências para exercer habilidades e competências, tais como:

Atenção à saúde

A partir de ações de promoção da saúde e reabilitação, em nível individual ou coletivo, o futuro profissional está preparado para assegurar sua prática de forma contínua e integrada com outras instâncias do sistema de saúde de sua comunidade, além de pensar criticamente e analisar problemas da sociedade.

O futuro profissional recebe subsídios com base em princípios éticos e bioéticos para construir a sua responsabilidade.

Tomada de decisões

Esta capacidade fundamenta-se em situações teórico-praticas, oportunizadas pelo currículo, para que o egresso do curso possa ter condições de avaliar, sistematizar e decidir condutas e procedimentos, com base em evidências científicas e atendimento humanista.

Comunicação

A capacidade de interagir com outros profissionais de saúde, de educação e o público em geral, está presente na formação do egresso do curso. Esta interação envolve a manutenção e sigilo de informações, a habilidade de comunicação verbal e não verbal, assim como na escrita e leitura. Para a complementação da sua formação, o futuro fonoaudiólogo é orientado para a procura de uma língua estrangeira, além de conhecimentos de informática.

Liderança

O trabalho em equipe é valorizado e incentivado nas atividades teórico-práticas das próprias disciplinas, assim como entre disciplinas e entre cursos, para que o egresso seja capaz de desenvolver atitudes competentes de compromisso, responsabilidade, empatia, habilidade para tomada de decisões, comunicação e gerenciamento de forma efetiva.

Educação permanente

O futuro profissional é preparado para conscientizar-se da necessidade de continuidade de sua formação, tanto teórica quanto prática, como também buscar a supervisão fonoaudiológica.

Habilidades Específicas

Para o exercício do futuro fonoaudiólogo, o egresso tem competência e habilidade para:

  • Compreender e analisar criticamente as teorias e conceitos fonoaudiológicos;
  • Ter uma visão holística do ser humano, tanto em relações socioafetivas como na linguagem e na aprendizagem;
  • Ter consciência das dimensões e da complexidade dos processos fonoaudiológicos;
  • Avaliar, prevenir, diagnosticar e tratar os distúrbios fonoaudiológicos;
  • Intervir nas diferentes situações de demanda social, aplicando criticamente seu conhecimento técnico científico fonoaudiológico, com base em princípios éticos, políticos e culturais;
  • Reconhecer o sistema de saúde brasileiro, seus programas e ações para atuar, de forma eficiente e articulada, no contexto social, garantindo a integralidade da assistência, contribuindo com o seu conhecimento e aplicando o seu trabalho na sociedade;
  • Construir, desenvolver e participar de projetos que visem a atuação profissional em atividades disciplinares, multidisciplinares e interdisciplinares;
  • Avaliar suas próprias condutas profissionais a partir de seus conhecimentos científicos, práticos e éticos;
  • Construir a autonomia pessoal e intelectual para buscar inovações do campo da fonoaudiologia, integrada com as demais áreas da Ciência;
  • Instrumentalizar-se com métodos e técnicas de investigação adequados para elaborar trabalhos acadêmicos e científicos.



Atividades Acadêmicas

Extensão

Os programas de extensão, articulados com o ensino e a pesquisa, desenvolvem-se na forma de atividades permanentes ou projetos circunstanciais, sob a responsabilidade dos diretores de curso, com a supervisão da Pró-Reitoria de Extensão. A Extensão desenvolve suas atividades atendendo a demanda de necessidades internas e externas, tendo como princípio a atuação educativa e preventiva. Essas atividades caracterizam-se em forma de cursos, assessorias, simpósios, encontros, seminários e programas permanentes com os vários segmentos da comunidade.

As atividades extramurais são desenvolvidas desde os primeiros semestres do curso, viabilizando o estudo do processo ensino/realidade junto à comunidade, levando em consideração a dinâmica dos problemas da população. A partir desse entendimento, o aluno desenvolve concomitantemente as ações técnicas e preventivas e a resolução das necessidades diagnosticadas. Fora do ambiente acadêmico tradicional, o aluno tem a oportunidade de desenvolver a sensibilidade social tão discutida e lembrada, mas tão pouco explorada, através de uma participação mais ativa junto e em conjunto com o público-alvo.

Pesquisa

Grupo de pesquisa:

Distúrbios da comunicação e disfunções do sistema estomatognático

Objetivo:
Caracterizar os distúrbios de comunicação e das funções do sistema estomatognático, como a fonoarticulação, mastigação, respiração, deglutição, sucção e da voz, em portadores ou não de anomalias craniofaciais, para contribuir na produção de métodos diagnósticos e terapêuticos destas disfunções.

Repercussões:

O grupo de pesquisa pretende explorar as questões relativas aos agravos da comunicação durante o ciclo vital, em indivíduos com e sem anomalias craniofaciais.Tem como sua linha de pesquisa principal a caracterização das funções e disfunções do sistema estomatognático, como a fonoarticulação, mastigação, respiração, deglutição, sucção e da voz.
O trabalho do grupo pretende contribuir para a geração de conhecimentos a respeito da fisiologia das funções citadas e investigar as características das disfunções na comunidade na qual a Universidade está inserida. Ainda pretende colaborar prestando serviços de diagnóstico, formando recursos humanos atuando junto à graduação e a pós-graduação e publicando em revistas científicas e anais de congressos.

Linhas de pesquisa

- Caracterização do processo de desenvolvimento da alimentação em crianças com e sem fissura lábio-palatina

Objetivo:

Caracterizar o tipo de alimentação complementar que crianças portadoras ou não de fissuras lábio-palatinas recebem, e suas implicações no desenvolvimento do sistema estomatognático (SE)

- Caracterização das alterações da voz em indivíduos com e sem alterações anomalias craniofaciais

Objetivo:

Caracterizar a qualidade vocal identificando os parâmetros que estão alterados em indivíduos com anomalias craniofaciais, e comparar com indivíduos sem anomalias craniofaciais.

- Caracterização da voz a partir da terceira década de vida em indivíduos com e sem alterações neurológicas

Objetivo:

Caracterizar a qualidade vocal em indivíduos sem queixas neurológicas, a partir da terceira década de vida, e em indivíduos com diagnóstico de distúrbios neurológicos.

- Distúrbios miofuncionais orofaciais e da fala em pacientes com e sem anomalias craniofaciais

Objetivo:

Desenvolver estudos que permitam conhecer, avaliar, e diagnosticar distúrbios miofuncionais orofaciais e da fala em pacientes com e sem anomalias craniofaciais, assim como aprimorar técnicas e programas de terapia fonoaudiológica.