Ciências Química

ULBRA Universidade Luterana do Brasil
Em Canoas

Preço a consultar
Ou prefere ligar para o centro agora?
(55) ... Ver mais
Compare este curso com outros semelhantes
Ver mais

Informação importante

  • Graduação
  • Canoas
  • Duração:
    4 Anos
Descrição

Informação importante
Instalações

Instalações e datas

Início Localização
Consultar
Canoas
V. Farroupilha, Nº 8001 · Bairro São José, 92425-900, Rio Grande do Sul, Brasil
Ver mapa

Programa

O Curso

O curso de Química visa a formação de profissionais capacitados a atenderem às necessidades do mercado de trabalho da região, onde poderão atuar em indústrias, laboratórios de análises, pesquisas científicas e, também, como professores de nível fundamental e médio. Propõe-se, ainda, a incentivar a investigação científica, em programas de iniciação à pesquisa, bem como manter uma interação com indústrias, para o desenvolvimento de projetos, através de convênios.
Tem como objetivo promover a formação de profissionais capacitados e habilitados na área de licenciatura em Química e Ciências e bacharelado em Química Industrial, contemplando as orientações legais previstas na nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação.


Objetivos Específicos


  • Formar profissionais que possuem conhecimento sólido e abrangente, com habilidade de trabalho em equipe, competência profissional garantida pelo domínio do saber sistematizado dos conteúdos nos diversos campos da química, processos e operações industriais e em áreas correlatas, bem como nos campos relacionados com a educação em Química e Ciências.
  • Formar profissionais com capacidade crítica para analisar seus próprios conhecimentos e decidir pela sua constante atualização seja através de atividades extracurriculares ou pelo prosseguimento dos estudos em cursos de pós-graduação lato ou stricto sensu ou em programas de educação continuada.
  • Formar profissionais que reconheçam a química como uma construção humana, compreendendo os aspectos históricos de sua produção e suas relações com os contextos cultural, socioeconômico e político, para que possam atuar como agentes transformadores da comunidade e sociedade às quais pertencem e que estejam comprometidos com as questões ambientais que lhes são pertinentes.


Mercado de trabalho



Ao licenciado em Química destina-se a importante função de educar os estudantes do ensino fundamental (últimas quatro séries) e médio. O profissional poderá prestar consultorias, elaborar e desenvolver projetos de pesquisa, realizar análises químicas e sínteses de produtos químicos, exercer responsabilidade técnica, emitir pareceres e laudos técnicos, supervisionar e executar serviços de assistência técnica no comércio e na indústria de produtos químicos, realizar ensaios físico-químicos, dentre outras atribuições previstas pelo Conselho Federal de Química.
O mercado de trabalho do químico industrial, além da pesquisa básica e aplicada, envolve praticamente todo o setor industrial (indústrias químicas em geral, fábricas de cimento, de bebidas, de borracha, indústrias minero-metalúrgicas, indústria têxtil, petroquímica, de fertilizantes, etc.), o setor de serviços públicos de fornecimento de água potável e o tratamento de águas em geral.
Nas indústrias, poderá responsabilizar-se pelo controle de qualidade das matérias-primas, pelo desenvolvimento e operação de processos e pelo desenvolvimento, produção e controle da qualidade dos produtos.
Em decorrência do número expressivo de indústrias de transformação na região de Canoas e proximidades, há uma grande necessidade de profissionais qualificados na área de Química.
A Resolução nº 30 de 11/07/74, do Conselho Federal de Educação, fixa os conteúdos mínimos e a duração dos cursos de Licenciatura Plena em Química.
Curso de Química - Licenciatura Plena autorizada pelo Decreto 95.623/88, de 12/01/88, com base no Parecer nº 1.128/87 de 03/12/87. O curso, implantado em março de 1988, teve seu reconhecimento através da Portaria Ministerial nº 691/89 do D.O.U. de 18/12/89.
Curso de Química Industrial - Bacharelado, implantado em março de 2004, teve seu reconhecimento através da Portaria nº 529, de 15 de junho de 2007; Decreto nº 5.773, de 9 de maio de 2006. Publicado no DOU nº 115, de 18.06.2007, seção 1, página 12.




Diferenciais


O curso de Química da ULBRA tem professores e estudantes inseridos no mercado de trabalho. A sala de aula, além de ambiente de aprendizado formal, é lugar de intensa troca de experiências. A Universidade incentiva a pesquisa em educação química, química teórica e/ou aplicada, incluindo programas de Iniciação Científica. Realiza, ainda, atividades de extensão importantes para o aperfeiçoamento profissional e pessoal.
A graduação possui uma ampla infraestrutura física e um corpo docente que primam pela atualização e aprimoramento constante, estando sempre em sintonia com o mercado de trabalho.
Os egressos do curso de Química obtiveram ótimos conceitos nas edições do Exame Nacional de Desempenho de Estudante (ENADE), como também do antigo sistema de avaliação, o Provão, o que vem a qualificar o curso como um dos melhores do Estado do Rio Grande do Sul. O MEC concedeu em 2009 Nota 4 ao curso, colocando-o em posição de destaque nacional pela qualidade de formação de seus alunos.
Os profissionais formados pelo curso têm habilidades técnicas e pensamento crítico, que possibilitam seguir seus estudos em programas de pós-graduação ou atuar diretamente no mercado de trabalho. Apresentam alto índice de aprovação em exames de qualificação para a educação continuada. O curso, através de seus programas de pesquisa e extensão, proporciona a inserção de seus alunos em projetos inovadores, instigando o interesse pela pesquisa.
As aulas ocorrem no turno da noite, sendo uma alternativa para os profissionais que já se encontram no mercado de trabalho, com atividades dinâmicas e inovadoras.



Egresso


Espera-se que o egresso:


  • seja capaz de expressar-se com clareza, organizar suas idéias e estabelecer relações;
  • demonstre capacidade para interpretar dados e fatos;
  • seja capaz de elaborar hipóteses, atuar em organizações flexíveis, dinâmicas e estruturadas com base no paradigma informacional;
  • tenha competência para a análise e compreensão das bases científico-técnicas, sociais e econômicas da ciência como um todo;
  • tenha competência para a compreensão do contexto social e econômico onde estiver inserido e capacidade de tomada de decisões visando adequação a um mundo diversificado e interdependente;
  • tenha capacidade e flexibilidade para atuar em ambientes caracterizados pela mudança contínua e pela interdisciplinaridade.


Para os cursos de licenciatura é necessário que o aluno em formação saiba capacitar-se nos conhecimentos transformando-os em ação.

O profissional licenciado deverá estar comprometido com a ética, o respeito à diversidade, a responsabilidade social e as conseqüências de sua atuação no mundo do trabalho. Deve ampliar o senso crítico necessário para compreender a importância da busca do conhecimento continuado e do desenvolvimento profissional.

O licenciado em Química obtém sólida e abrangente formação, com preparação adequada à aplicação do conhecimento e experiências de Química e áreas afins para lecionar nos ensinos fundamental, médio e profissionalizante. Além de estar apto a trabalhar em laboratórios, empresas e instituições relacionadas à área.

O bacharel em Química Industrial deve ter formação com domínio das técnicas básicas de utilização de laboratórios e equipamentos. Atuará nos campos de atividades socioeconômicas que envolvam as transformações da matéria, controlando os seus produtos, interpretando as etapas, os efeitos e o resultados. Deve aplicar abordagens criativas à solução dos problemas e desenvolver novas aplicações e tecnologias.

Os egressos do curso de Química da ULBRA estarão qualificados para a pesquisa e com atribuições tecnológicas voltadas ao setor industrial.


Projeto Pedagógico

O curso tem um enfoque humano, técnico e científico, sendo a formação dos alunos alcançada principalmente na sala de aula e nos laboratórios e passível de ser complementada através das linhas de pesquisa nas áreas de química teórica, química ambiental, síntese, análise, propriedades e caracterização de materiais de interesse químico e de trabalhos de extensão universitária.
O curso possui atuação em pesquisa, com grupos especializados que desenvolvem projetos nas diversas áreas da química. O curso tem inserção na pós-graduação "stricto-senso" no Programa de Pós-Graduação em Engenharia: Energia, Ambiente e Materiais.

Missão

Educar com qualidade e excelência, visando a formação de profissionais com conhecimento abrangente e sólido para atuar nos diversos degmentos da Química.

Visão

Ser um curso de excelência reconhecido nacionalmente pela formação de profissionais altamente capacitados na área química.


Atividades Acadêmicas


As atividades complementares do curso de Química da ULBRA constituem o espaço por excelência da vinculação entre formação teórica e início da vivência profissional. Deverão ser supervisionadas pela instituição formadora, sendo uma das oportunidades na qual o estudante-docente se defronta com os problemas do processo de ensino-aprendizagem e da dinâmica da sua área profissional, construindo uma experiência vinculada à sua realidade.


Normas para apresentação das atividades complementares ao curso de Química

As atividades complementares podem ser realizadas a partir do primeiro semestre do aluno no curso. Não serão consideradas as atividades realizadas no período anterior ao ingresso do aluno no curso de Química - licenciatura.
O aluno deverá estar frequentando o curso de Química - licenciatura ou Industrial - para que as atividades complementares sejam contabilizadas como hora-aula.
Todas as atividades complementares deverão ser comprovadas mediante certificado expedido e assinado pela instituição promotora (documento original). Cada aluno deverá entregar os documentos relativos às atividades complementares no início do penúltimo semestre do curso.

Serão consideradas atividades complementares:


Estudos complementares, seminários, cursos, oficinas ou estágios na área de Química - licenciatura ou Industrial.

1.Participação como expositor em salões de congressos, iniciação científica ou outros eventos.

2. Organização e execução de cursos de extensão, palestras, oficinas, cursos na área de Ciências e Química ou afins.

3.Atividades relacionadas à docência em escolas municipais, estaduais e/ou particulares.

4.Atividades relacionadas à iniciação científica na área de Química ou afim.

5.Atividades relacionadas a monitorias na área de Ciências e/ou Química, bem como monitoria em laboratórios de ensino ou afins.

6.Atividades relacionadas a estágios extracurriculares no curso de Química - licenciatura ou Industrial.

Obs: Os casos não previstos e/ou outras atividades não relacionadas ao Ensino, Pesquisa e Extensão serão avaliadas pela coordenação e conselho do curso.


Mecanismos de Nivelamento


O curso de Química oferece nos três primeiros semestres as disciplinas de Comunicação e Expressão, Matemática Instrumental e Instrumentalização Científica, objetivando o nivelamento dos acadêmicos ingressantes. Oferece diversas monitorias de disciplinas para que alunos capacitados coloquem-se à disposição dos acadêmicos para dirimirem suas dúvidas, fora do horário da disciplina.

Alguns mecanismos de nivelamento são sugeridos, tais como:

  • atividades didáticas presenciais coordenadas por professores e executadas por alunos monitores ou estagiários;
  • atividades didáticas não presenciais acompanhadas por equipe do Ensino a Distância da ULBRA;
  • atividades especiais para sanar as dificuldades detectadas através do processo seletivo em sala de aula, nas disciplinas universais, no primeiro bimestre do período letivo;
  • eventos de integração dos alunos ingressantes na Instituição;
  • outros mecanismos que os professores acharem interessantes, desde que aprovados pelo Conselho da Área.


Atividades de Extensão

As atividades de extensão são formas de complementar, aprofundar, atualizar e difundir conhecimentos, tanto na comunidade interna da ULBRA como externa. São exemplos os cursos, treinamentos, interação com indústrias e com outras universidades, assessorias, consultorias, seminários, simpósios, encontros, fóruns, debates, palestras, conferências, oficinas, mesas-redondas, painéis, atividades comunitárias, prestação de serviços, feiras, semana acadêmica, núcleo de ensino de química e monitorias. A periodicidade das atividades de extensão variam, podendo ocorrer mensalmente, semestralmente, anualmente ou uma única vez.
Cabe destacar, dentro do curso de Química, a atividade de extensão referente ao Laboratório de Pesquisa e Ensino em Ciências (LPEC). Este núcleo investe na docência, estimulando a capacitação de recursos humanos na área educacional. É possível melhorar a qualidade do ensino subsidiando o educador e fundamentando metodologias e práticas estabelecidas durante o processo de ensino-aprendizagem.
O trabalho do LPEC analisa o processo de ensino e aprendizagem, procurando identificar possíveis deficiências. O laboratório possibilita capacitação e/ou qualificação a professores e estagiários das licenciaturas envolvidas, relatos de experiências entre os docentes, e exposições das dificuldades em ministrar determinados conteúdos.
São elaborados textos informativos, confecção de jogos didático-pedagógicos, realização de oficinas e desenvolvem aulas práticas bem como a produção de livros de química para o ensino médio. Proporciona momentos de reflexão sobre a ação de ensinar/aprender, em conjunto com os participantes.
A metodologia gerada pelo LPEC atende a professores do ensino fundamental e médio, proporcionando uma atualização pedagógica. Os professores que se utilizam deste recurso atestam que esta ferramenta os auxilia na busca de soluções alternativas que motivem seus alunos.
Integrando o LPEC aos trabalhos e projetos desenvolvidos nas escolas de ensino fundamental e médio constatou-se que é possível investir na interdisciplinaridade enquanto visão de ensino, pela afirmação de uma nova proposta como forma capaz de fazer um ensino mais qualificado.

Monitoria e Iniciação Científica

As bolsas existem na modalidade de Monitoria e de Iniciação Científica.

Participação em Programa-Projetos de Iniciação Científica ou em Práticas de Investigação

Os acadêmicos têm participado dos projetos de pesquisa dos professores com bolsa PIBIC-ULBRA, PIBIC-FAPERGS, PIBIC-CNPq ou FAPERGS e também há alunos de iniciação voluntários ou bolsa-convênios.

O Programa de Iniciação Científica e Tecnológica (PROICT/ULBRA) tem os seguintes objetivos:

  • Estimular o desenvolvimento do pensar criativo do aluno de graduação;
  • Aplicar o método científico como coadjuvante do processo ensino - aprendizagem;
  • Incentivar a formação de recursos humanos em ciência e tecnologia;
  • Proporcionar, ao graduando, conhecimentos práticos e metodologias próprias de áreas do conhecimento específicas, pela participação em projetos de pesquisa desenvolvidos por pesquisadores qualificados;
  • Contribuir para uma melhor qualificação de alunos candidatos a programas de pós-graduação;
  • Vincular pesquisadores e professores da pós-graduação a atividades relacionadas com a formação do graduando;
  • Estimular a produtividade científica na Universidade;
  • Avaliar e acompanhar o desempenho do aluno de iniciação científica até sua graduação e possível ingresso na pós-graduação.


Meios de Divulgação de Trabalhos e Produções de Alunos


No segundo semestre do ano acadêmico ocorre o Fórum de Pesquisa Científica e Tecnológica e o Salão de Iniciação Científica, em que são apresentados os resultados das pesquisas, com publicação em seus sumários nos Anais. Os trabalhos também podem ser publicados em revistas científicas da Instituição ou em outras, apresentados em congressos ou salão de iniciação científica de outras instituições.


Relação Ensino-Pesquisa
A Química é uma área de constante e acelerada evolução. Por este motivo é necessário que haja, junto aos docentes do curso, a busca constante de aperfeiçoamento, procurando, a cada dia, uma atualização em sua área e inserindo seu trabalho no contexto global da sociedade.

Uma das formas mais eficientes de se atingir este tipo de objetivo é a pesquisa científica e tecnológica envolvendo o corpo docente e discente. Através desta prática, o profissional defronta-se com novos problemas e deve buscar para estes as soluções, seja adaptando e aplicando técnicas existentes, seja desenvolvendo novas ferramentas.

Além deste aspecto positivo, a pesquisa traz, ainda, outros benefícios que atingem principalmente o processo de ensino. Destes benefícios, vale destacar:
a) o incremento da qualidade das aulas, pois os professores terão mais experiências a transmitir aos alunos;

b) os alunos envolvidos em pesquisa tornar-se-ão profissionais com maior capacidade de criação;

c) na pesquisa, professores e alunos podem aplicar e avaliar os conceitos desenvolvidos nas aulas.

Em contrapartida, para que este processo se complete e, de fato, traga benefícios à comunidade acadêmica e, por consequência, à sociedade, é preciso que a Universidade continue a apoiar e incentivar as pesquisas fornecendo a professores e alunos bolsas e auxílio financeiro, bem como disponibilizando equipamentos adequados ao desenvolvimento deste tipo de trabalho, com recursos próprios ou através de convênios.

Linhas de Pesquisa

O curso de Química da Universidade possui trabalhos em diferentes linhas de pesquisa, listadas abaixo:

Síntese e Análise Orgânica
Química de Materiais
Química - Educação e Ensino
Química Ambiental
Química Computacional
Corrosão
Geoquímica e Mineralogia
Ciência e Tecnologia dos Alimentos


Participação Efetiva dos Alunos em Atividades Articuladas com o Setor Produtivo e/ou de Serviços

Além dos estágios curriculares obrigatórios, a teoria deve ser aplicada de forma prática e desenvolvida nas variadas formas de estágios e atividades afins durante todo o transcorrer do curso. A graduação deve oferecer, obrigatoriamente, oportunidades para que o acadêmico possa desenvolver suas habilidades, refinar seus conhecimentos e ampliar sua experiência científica e cultural através do aprendizado de novas metodologias.
Como o curso oferece disciplinas dos mais variados campos da química aconselha-se que o acadêmico tenha um contato mais direto com cada um deles para escolher com maior segurança aquele que deseja seguir na sua futura vida profissional.

Neste sentido, o curso divulga, incentiva e procura por locais que oportunizem a realização de estágios desde o início da vida acadêmica, sejam aqueles ofertados na própria instituição, ou nos mais variados locais, como fundações, empresas públicas e privadas, e laboratórios industriais.

Os alunos são frequentemente encaminhados para estágios extra-curriculares. Através de convênios com empresas, o curso atua como intermediário, oportunizando o treinamento profissional. Ainda são instigados a buscar atividades em órgãos fomentadores de estágios.

Abaixo estão caracterizados diferentes modalidades de estágios extra-curriculares oferecidos pelo curso:

Estágios voluntários: são aqueles que partem do interesse do aluno, não estabelecido no currículo pleno dos cursos e de caráter opcional.

Visitas e afins: são atividades eventuais realizadas num único momento com objetivos específicos relacionados à formação profissional.

Saídas a campo: são expedições realizadas com intuito de integrar teoria à prática fazendo parte do plano de ação de determinadas disciplinas.




Compare este curso com outros semelhantes
Ver mais